sexta-feira, 17 de junho de 2016

O caos e um mundo novo em gestação





 

A política se esfacela, a economia virou farelo, o caos goteja das veias abertas da humanidade.

Jovens são assassinados como em jogos eletrônicos. Deputada morta a tiros e presidentes depostos por golpes, reprisando filmes de Costa Gravas.

Protestos por todos os cantos do planeta, desemprego por todos os cantos, jovens desesperados.

A violência dos aparatos de repressão do estado aumentado e fugindo do controle.

Não, não estamos falando da historia das décadas de 60/70. Estamos relatando os acontecimentos atuais.

Essas condições indicam não apenas a saturação do modelo, que como nas décadas seguintes aos anos 60/70 foi contornada pelo sistema que aceitou ceder pontos para que a democracia avançasse sem que fosse necessário modificar-se substancialmente o “status quo”. Essa crise vai além, e se assemelha mais às condições semelhantes aquelas que determinaram o fim de um modelo e o ressurgimento de outro, como os acontecimentos que principiam nas décadas finais (século XV) da idade média, passando pela Revolução Francesa (1789–1799) e se reafirmando na Revolução industrial (entre 1760 e 1840).

Foi durante essas centenas de anos que o mundo foi mudando do paradigma religioso para o atual modelo cientifico. Essa ruptura se dá pelos exageros que fizeram engessar novos avanços substanciais e por fim saturaram o modelo, permitindo o rompimento e surgimento do novo.

Todo nascimento do novo é gerado por explosões tais quais as que fizeram romper a crosta e permitiu o nascer dos continentes, os vulcões que formam novas ilhas, as sementes que se rompem para que surjam os frutos, o rompimento do ventre das nossas mães.

A transformação anterior é sintetizado no século XVII por René Descartes, brilhante matemático, considerado fundador da filosofia moderna, com sua máxima: “Penso, logo existo”.

A mudança do modelo anterior cria a supremacia hegemônica, pela divisão do todo em partes, do individualismo anulando as noções coletivistas, trazendo o egoísmo predatório da sociedade da excelência, meritocracia e imediatista, brilhantemente estudada por Bauman na sua série de mundo e relações “liquidas”.

Há um sintético e belo estudo de uma colaboradora deste blog, Sônia Aranha, sobe essa mudança, em:

http://advivo.com.br/blog/sonia-aranha/post-2-visao-de-mundo-cartesianan...

Se o físico austríaco Fritjof Capra, em seu livro "O Tao da Física" (1975), apresenta os novos paradigmas da física moderna propondo uma relação entre as ciências naturais e a evolução espiritual, este é o modelo em gestação desde algumas várias dezenas de anos, como nas décadas de 60 e segs ficou expressadas pelos movimentos hippies, o pensamento da nova era, a era de Aquários e vários outras expressões que propunham algo alternativo.

Uma síntese sintética do modelo em gestação extraída da Wikipédia:

“Holismo (do grego holos que significa inteiro ou todo) é a ideia de que as propriedades de um sistema, quer se trate de seres humanos ou outros organismos, não podem ser explicadas apenas pela soma dos seus componentes. O sistema como um todo determina como se comportam as partes.

O princípio geral do holismo pode ser resumido por Aristóteles, na sua Metafísica, quando afirma: O todo é maior do que a simples soma das suas partes.”

É um modelo que vê o mundo como um todo integrado, como um organismo, que se opõe ao fracionamento das partes como principio, ao  individualismo exacerbado, combustível do egoísmo, do segregacionismo, que procura substituir o mundo líquido, vazio e solitário, por um mundo sólido, cheio e solidário.

Essa é a transformação que está ocorrendo, a semente há muito tempo regada.

É claro a ruptura. Só não se sabe como será a forma da explosão que faz romper a crosta, as cascas da semente, o útero da gestação.

 E ela surge como rastilho de pólvora, não adianta os Estados, que já perceberam a iminente quebra do “status quo”, se amarem com leis draconianas, com golpes de estado (sempre na América Latina) para que sirva de aviso ao mundo, com todos os tipos de repressão inimagináveis.

O novo se anuncia lentamente, mas nasce como uma avalanche, como um tsunami que o homem prevê, mas não consegue conter.

Nenhum comentário:

Postar um comentário