segunda-feira, 25 de maio de 2020

Sem Bolsonaro e sem Mourão. Não há solução com o exército no centro da política.

Sem Bolsonaro e sem Mourão. Não há solução com o exército no centro da política.

O exército para poder "viver" tem que eleger um inimigo. E o inimigo eleito foi a esquerda brasileira.

Esquerda esta que quando esteve no poder não apresentou nenhuma ameaça a democracia, respeitando a liberdade da Polícia Federal, do Ministério Público e seu PGR e da Justiça, que no quadro comparativo com o governo bolsonaro fica completamente demonstrado. Dirigentes expoentes do PT, inclusive o ex-presidente Lula, julgados e condenados sem interferência do poder executivo.

Os inimigos reais do Brasil, e não o imaginário, são as imensas desigualdade e pobreza e o crime organizado das milícias, que nem mesmo o exército brasileiro, conduzindo com total liberdade, por quase dois anos, o controle da segurança pública do Rio de janeiro, conseguiu debelar, nem minorar, este tipo de criminalidade. O crime organizado hoje alcança todas as grandes e médias cidades, e a maioria das pequenas, tendo o comando efetivo  da vida política e social em vários setores geográficos brasileiros.

O exército depois de dois anos ocupando a segurança pública do Rio de janeiro sob o comando do general Braga Netto, ainda assim não conseguiu debelar e sequer minorar o crime organizado naquele estado.
Não consigo aceitar que a estrutura dos milicianos seja mais organizada inteligente e competente do que o nosso exército.

Bolsonaro representa, sem desfaçatez, o pensamento militar.
A diferença é que a expressão dele vai na linha "non sense" e a forma/expressão dos generais vai na linha do "noblesse oblige".

As missivas recentes dos generais Mourão e Heleno, no sentido de pretenderem, os militares, serem os detentores do controle constitucional - nos ordenamentos democráticos
"quem guarda a Constituição é o Judiciário" - e que teve o apoio da caserna, tem a forma/pensamento exato de bolsonaro. As falas dos generais e do presidente formam um libelo do pensamento de submissão das instituições democráticas ao chefe do executivo.

Por isso nenhum país avançado tem militares na política, seja no executivo e legislativo recheado de militares. Há militares no executivo em ditaduras, mesmo que seja disfarçada por eleições  conduzidas. 

E não pode ser de outra forma, a concepção/formação do militar é completamente diferente da formação/concepção civil. 

O oficial militar é treinado desde que entra na Escola Preparatória a receber ordens e cumpri-las sem questionar (ou emiti-las). Esse é o princípio básico do militar, a hierarquia e a disciplina.

O civil deve ser treinado para exercer a liderança não pela força hierárquica, mas pelo conjunto do seu pensamento, propostas e relacionamento.

Essa é uma diferença essencial entre comandar um batalhão, uma divisão ou um exército e se comandar um país.

Aí está a explicação porque Bolsonaro e os generais citados, em seus estilos - que na vida civil passa por prepotência e arrogância - é visto nas páginas sociais militares como um grande líder. Vis à vis entende-se por que Moro, Mandetta, Teich e mesmo os seis generais defenestrados logo no início do governo, foram tidos como traidores.

Bolsonaro se porta como um comandante que não aceita indisciplina em sua tropa. Leia-se indisciplina, inclusive, como não acatar ordens e determinações do chefe. E, na vida civil não é assim que funciona. 

Para se ter essa forma de governança, como pensam os militares, seria preciso fechar o congresso, o judiciário e escolher ministros submissos.

Para concluir, nenhuma democracia foi formada e desenvolvida com militares à frente do executivo.


quarta-feira, 20 de maio de 2020

Os Quatro Compromissos

1 - Seja impecável com sua palavra.
 Você pode transceder o medo com afirmações positivas na mente. Use  pensamento para lhe botar para cima e não para lhe fazer sofrer. Você pode viver no céu no meio de milhares de pessoas que vivem no inferno, porque você se torna imune exercitando pensamentos positivos; seja impecável com a sua palavra. A palavra tem efeito bumerangue aquela que você solta pela boca, entra de volta na sua mente.

2 - Não leve nada por lado pessoal.
Você leva tudo lado pessoal porque concorda com o que está sendo dito. O que lhe causa sua própria captura é o que chamam de importância pessoal expressão máxima do egoísmo. Se as pessoas estiverem bem, vão falar bem de você; se as pessoas estiverem mal, vou falar mal de você. 

Onde quer que vá encontrará pessoas mentindo para você. E, quando sua consciência aumenta, você percebe que também mente para si mesmo. Não espere que as pessoas te digam a verdade porque elas também mentem para si mesmas. Quando realmente enxergamos as pessoas como elas são, sem levar para o lado pessoal, nunca poderemos ser feridos pelo que elas fossem ou façam. Mesmo que os outros mintam para você, não há problema. Estão mentindo porque têm medo. É doloroso retirar a máscara social. Habitue-se a não levar nada para o pessoal e você de tornará imune as fofocas, nada será capaz de afetá-lo.
Todo mundo pode fofocar a seu respeito ou lhe enviar veneno emocional, mas se você não levar para o lado emocional, ela volta para quem lhe enviou e não consegue nos atingir.

3 - Não tire conclusões.
Temos a tendência de tirar conclusões em tudo. Presumir. Tiramos uma conclusão, entendemos errado levamos isso pro lado pessoal e acabamos criando um conflito do nada. 
A mente cria um bocado de caos,; interpretamos mal e errado. Apenas enxergamos o que queremos enxergar e escutamos o que queria escutar. Um exemplo: você está andando no shopping e encontra uma pessoa de quem gosta. Ela se conta para você e sorri. A partir daí pode de criar toda uma fantasia. E você pode acreditar: "essa pessoa gosta de mim". Em sua mente um relacionamento inteiro de desenrola. A fantasia é sua.
Tirar conclusões em relacionamentos e pedir problemas. Frequentemente, presumimos que nossos companheiros sabem o que pensamos e que não há necessidade de expressar nossos desejos.  (....)

4 - Dê sempre o melhor de si.
Quando você dá o melhor de si não permite que se julgue. Se não a julgamento não há necessidade de sentir culpa ou de se punir. Dar o melhor de si envolve confiar em si e na própria força da vida. 

A condenação de Cristo

A condenação de Cristo

Jesus foi um revolucionário: foi acusado, processado e executado como um, devido sua pregação radical. Foi condenado por Pôncio Pilatos à crucificação – a forma mais terrível de pena capital da época. 

Para os poderosos da época, ele passou a significar uma ameaça a ordem social. Jesus moveu multidões, deixou inúmeras mensagens de sabedoria e amor ao próximo.

Os juízes aplicadores do direito compunham o Sinédrio. Jerusalém era domínio do Império Romano. O poder jurídico era celebrado ao Governador por transmissão do Imperador. Na época de Jesus, o Governador era Pôncio Pilatos. Jesus passou por dois julgamentos: um religioso, perante o Sinédrio, e outro politico, frente a Pôncio Pilatos e Roma. As acusações religiosas no Direito Hebraico eram: blasfêmia, profanar no sábado e ser um falso profeta. Porém, estas de nada valiam perante Roma, visto que não violavam o direito romano.

Ao levar Jesus para seu segundo julgamento, eram preciso novas acusações. Acusações políticas: sedição, declarar-se rei e incitar o povo a não pagar impostos à César. 
Na noite de seu julgamento, todo conhecimento que os juízes do direito possuíam sobre legalidades fora desprezado em face da vingança contra Jesus. Ele foi preso sem culpa, acusado sem indícios, julgado sem testemunhas legais e condenado a uma pena errada ao crime que era acusado. A ira dos poderosos crucificou Jesus. Jesus era inocente. 

A mais calamitosa acusação contra Jesus, incitar o povo contra o Império consistia no crime de perduellio, delito contra a segurança do Estado ou a ordem pública e estava preconizado na Lei das XII Tábuas.

Sedição foi outro motivo da condenação de Jesus. Trata-se de Crime contra a segurança do Estado, sublevação, ato de rebelião, conspiração contra o Imperador, era um crime punido com morte. Jesus foi acusado de ter iniciado seu “levante” pela Galileia até chegar em Jerusalém. O Evangelho de Lucas (23:5) relata a acusação do grupo de judeus que o prendeu perante Pilatos: “[...] - Ele está causando desordem entre o povo em toda Judeia. 

A crucificação era pena para crimes atrozes, como homicídio, roubo grave, traição e rebelião. Jesus foi condenado por ser subversivo ao governo.

quinta-feira, 7 de maio de 2020

Energia Ki, Do-in

A teoria do Do-in é  baseada no conceito chinês de que o universo é um organismo vivo e dinâmico, constituído de energia cósmica primordial da qual derivam, por condensação e diferenciação, todas as coisas existentes. 

O organismo humano é uma réplica do Universo e como tal está sujeita às mesmas leis que regem a Natureza. Deste modo o corpo humano não apenas "contém" energia: ele "é" energia manifestada como matéria sólida viva.

Esta força cósmica que o chinês chamou de Ki fui incessantemente por canais definidos, transmitido a vida através das células e colocando o organismo em harmonia com o mundo que o rodeia. 

Já que o organismo é um complexo digestivo a energia vital se renova através da assimilação de alimentos, da resspiração e das vibrações que os sentidos captam. No entanto a forma primordial do Ki,  energia cósmica pura, é captada continuamente por determinados pontos distribuídos da pele. Assim o funcionamento adequado do organismo humano estaria ligado à perfeita captação e ao fluxo de energia Ki  através do corpo.

Segundo a ideia chinesa da criação do Universo no início existia somente o Ki, a unidade. Para que o nosso relativo fosse criado a unidade manifestou-se em seus dois aspectos opostos e complementares, negativo e positivo, a que os chineses dominaram Yin e Yang.

Yin é o princípio negativo que se manifesta pela expansão; Yang, o positivo que contrai, sendo que todos os fenômenos ocorrem a partir da interação constante dessas forças antagônicas. Portanto é eterna e continua a atração que  Yin exerce sobre Yang e vice-versa, fornando um número infinito de combinações que constitui um Uni-verso, a diversificação da unidade.

Estas duas expressões do ki devem ocorrer no organismo humano de forma harmoniosa e equilibrada gerando saúde tanto física como mental. Quando a proporção harmônica se altera temos um congestionamento ao longo dos canais que conduzem a força vital. O bloqueio do fluxo de energia Ki caracteriza-se por uma série de sintomas sem causa aparente, sendo o primeiro estágio de desenvolvimento daquilo que chamamos "doença". Esta surge justamente quando o equilíbrio interno se desfaz, debilitando o organismo e destruindo suas imunidade. 

A ideia do equilíbrio Yin - Yang e sua ação sobre as funções orgânicas coincide basicamente com as modernas teorias e pesquisas sobre o funcionamento dos nervos ortossimpáticos e parassimpático.

Embora tudo seja formado por Ki, a força cósmica primordial expressada pela polarização de seus dois componentes Yin / Yang circula em sua forma original como uma correnteza, ao longo de inúmeros canais que transportam a vibração da vida a todas as partes do nosso corpo. 

O Ki flui interruptamente através das estruturas do organismo em cinco níveis diferentes: o primeiro e mais profundo localiza dentro dos ossos; o segundo nos músculos; o terceiro nos vasos sanguíneos e linfáticos; o quarto na região subcutânea e o quinto na superfície da pele, continuo com a aura, a força vibratória que envolve todos os seres vivos. Todos os canais ou meridianos utilizados no Do - In,  na acupuntura e em outras técnicas chinesas pertencem ao quarto nível, isto é, estão na região subcutânea, sendo determinados por pontos localizados profundamente na pele que captam a energia cósmica.

O congestionamento em um determinado ponto da complexa rede de canais que transportam a energia Ki pelo corpo provoca excesso ou deficiência de energia ao longo do meridiano e no órgão a que este se relaciona. Na realidade tanto o excesso como a deficiência constituem manifestações opostas de um mesmo problema; o bloqueio da força vital. O excesso de Ki provoca dor, espasmos, quentura, contração, hipertensão, hipersecreção, inflamação, convulsão, hipertonicidade da pele, hiperatividade. A deficiência de Ki provoca frio, flacidez, hipoestesia, hipotensão, suor frio, inchaço, paralisia, hipotonicidade da pele, torpor e inatividade. Como a massagem é basicamente energética a condição ideal para o seu melhor aproveitamento é um grau de relaxamento que coloque o organismo receptivo ao estímulo dos pontos. Infelizmente um dos grandes problemas de hoje é a incapacidade de se relaxar, já que a tensão é parte inerente da vida do homem moderno. 

Para praticar uma massagem intuitiva é necessário observar algumas condições básicas. A primeira é que o praticante esteja em melhores condições que o paciente. Isto é essencial para ambos já que na massagem indutiva o massagista transmite sua reserva energética e recebe energia desequilibrada. Outro fator importante é "tornar-se um" com o paciente, sincronizando os ritmos respiratórios e adotando uma atitude mental onde não existe a preocupação de curar, mas apenas a sensação de ser do canal por onde a energia cósmica flui livremente. A melhor maneira de ministrar a massagem é iniciar o tratamento de forma conscientemente controlada, e então, esvaziando a mente o mais possível permitir que os movimentos se tornam livres e espontâneos. No final do tratamento é aconselhável esfregar vigorosamente as mãos e balançá-las à altura dos ombros, ou simplesmente lavá-las com água corrente para evitar assimilação da energia desequilibrada.  Inúmeras são as técnicas teclas utilizadas na massagem do tio a utilizadas para tonificar ou sedar um meridiano. O processo mais simples e eficaz consiste em: 
1. Em caso de distúrbios causados pelo excesso de energia precisamos sedar o ponto. Para isto basta pressionar profundamente e continuamente o ponto indicado durante 1 a 5 minutos.  
2. Na deficiência precisamos tonificar o ponto, pressionando repetidamente em intervalos de um segundo, durante 1 a 5 minutos.


Plexo

O sistema nervoso forma sobre o corpo humano uma rede de fios trançados que se alongam, tornando-se cada vez mais finos na proporção que avançam, formando gânglios ou plexos. O sistema nervoso subdivide-se em Cerebrospinal e Grande Simpático. 

Gânglios ou plexos.
- Plexo Craniano 
- Plexo Cervical 
- Plexo Braquial 
- Plexo Cardíaco
- Plexo Solar  
- Plexo Mesentérico 
- Plexo Sagrado 
- Plexo Hipogástrico

Plexo Cardíaco

Os gânglios cervicais são três pares localizados em cada lado das vértebras do pescoço, deles partindo os nervos que chegam ao coração. Juntamente com os ramos nervosos do pneumogástrico forma o conhecido Plexo Cardíaco.

Plexo Solar 

(também chamado cérebro do abdômen) O ganglio semilunar, que é a terminal que vem do grande nervo esplênico depois de atravessar o diafragma, colocando-se sobre a boca do estômago, forma uma colônia de gânglios entrelaçados denominados - Plexo Solar, com ramificações que vão ter ao estômago, intestinos, fígado, baço, rins e aorta.

Plexo Mesentérico 

Está situado no nível dos rins e é constituído pelos filetes que o formam, indo inervar os vasos da região e o intestino grosso.

Plexo Hipogastrico 

Esse plexo fica situado na região da bexiga e é formado pelos 4 pares de Gânglios Sagrados ou também chamados - Pélvicos. Este plexo é também chamado de Plexo Prostático.

Plexo formado pelos nervos. Os pares de nervos e plexos são:

Plexo Cervical 
Dos oito pares de nervos cervicais, dos quais partem da medula, os 4 primeiros formam o Plexo Cervical, ao lado do pescoço.

Plexo Braquial 
Os pares de nervos braquiais formam o Plexo Braquial que se prolonga para os nervos do braço.

Plexo Lombar 
Na região dos rins temos 5 pares lombares formando o Plexo Lombar, de onde parte o nervo crural que segue para a coxa.

Plexo Sagrado 
Na região do sacro temos 6 pares sagrados constituindo o Plexo Sagrado de onde sai o nervo ciático para as pernas.


Emanuel

As aflições mentais, mesmo com todo o desenvolvimento da tecnologia, são ainda o mesmo suplício de sempre. E só a educação pode apagá-las. Educação espiritual que restaure o coração e reajuste o cérebro para o bem pensar.

Sabemos que o pensamento é energia criadora, com todas as qualidades positivas para materializar os nossos desejos e, atentos a realidade de que cada espírito transporta consigo um mundo que lhe é próprio, nascido das ideais e das aspirações, dos propósitos e das atitudes que cultiva, é indispensável acordar em nós a força construtora do bem. 

Enquanto a incompreensão e a discordia, ciúmes e a vaidade, filhos cruéis do ódio e de egoísmo, erguem cárceres e trevas para a mente humana, aprisionando-a em autênticas cristalizações de dor, espalhemos a boa vontade e a cooperação fraterna, a simplicidade e o serviço aos semelhantes. 

Tudo é magnetismo na vida universal. Entre os mundos é gravitação; entre as almas é simpatia. Como sabemos,  as correntes de simpatia para o mal arrastam as criaturas para tenebrosos sorvedouros de flagelação. Trabalhemos para ativar as correntes de simpatia para o bem. 

Emanuel

sábado, 2 de maio de 2020

"Pessoa sensitiva. Os traços que a definem"

Releitura do artigo: "Pessoa sensitiva. Os traços que a definem"
Por: Ser Único, do original  The Spirit Science  ( thespiritscience.net )

Você sabe o que é um sensitivo? Ser um sensitivo ou empata, significa ter a capacidade de perceber e ser afetado pelas energias alheias, além de possuir uma capacidade inata de sentir e perceber intuitivamente outras pessoas. 

Mas a sensitividade – como forma particular e muito aguçada de sensibilidade – apresenta riscos, sobretudo quando a pessoa sabe pouco a respeito das suas próprias capacidades sensitivas, e por tal razão funciona como uma esponja, captando e se impregnando de energias que vêm de fora e podem estar carregadas de negatividade. Saiba se você é uma dessas pessoas, e o que fazer para se proteger.

Abaixo estão listados 25 dos traços mais comuns do sensitivo ou empata:

1 - Saber: os sensitivos sabem coisas sem que elas lhes sejam ditas. É um conhecimento que vai além da intuição, mesmo que essa seja a forma como muitos poderiam descrever o saber. Quanto mais sintonizados eles são, mais forte este dom se torna.

2 - Estar em locais públicos pode ser esmagador ou avassalador: lugares como shoppings, supermercados ou estádios, onde há uma grande quantidade de pessoas ao redor, podem sobrecarregar o empata com emoções turbulentas.

3 - Sentir as emoções e tomá-las como suas: esse é um grande fardo para pessoas sensitivas. Algumas delas sentirão emoções vindas daqueles que estão perto e outras poderão sentir as emoções de pessoas a uma grande distância, ou até ambas. Os empatas mais sintonizados perceberão se alguém tem maus pensamentos sobre eles, até mesmo a uma grande distância.

4 - Assistir violência, crueldade ou tragédias na TV pode se tornar insuportável. Quanto mais sintonizado um empata se torna, pior se torna o ato de ver TV. Pode acontecer, eventualmente, de ele ter que parar de ver televisão ou mesmo ler jornais.

5 - O empata sabe quando uma pessoa não está sendo honesta: se um amigo ou um ente querido está lhe dizendo mentiras, ele sabe disso (embora muitos sensitivos tentem não se focar muito nesse conhecimento porque saber que um ente querido está mentindo pode ser doloroso). Se alguém está dizendo alguma coisa, mas, sente ou pensa de outra forma, o empata simplesmente sabe.

6 - Captar os sintomas físicos de uma outra pessoa: um empata pode desenvolver as doenças de outra pessoa (constipações, infecções oculares, dores no corpo, etc), especialmente, aqueles que são mais próximos.

7 - Distúrbios digestivos e problemas nas costas: o chacra do plexo solar tem base no centro do abdômen. Esse é o lugar onde os empatas sentem a emoção do outro, o que pode enfraquecer a área e, eventualmente, levar a problemas diversos, desde úlceras estomacais à má digestão, entre muitas outras coisas.

8 - Sempre a olhar os oprimidos: vítimas de injustiça ou intimidados, qualquer um que esteja em sofrimento chamará a atenção de um empata.

9 - Os problemas dos outros: um empata pode se tornar uma lixeira para questões e problemas de toda a gente e, se não tiver cuidado, pode acabar assumindo esses problemas como seus.

10 - Fadiga constante: os sensitivos muitas vezes ficam sem energia, pois,  a perdem para vampiros de energia, ou apenas dispensando demasiada energia própria com os outros. Muitos são diagnosticados com Fadiga Crônica ou até Fibromialgia.

11 - Atração para a cura, terapias holísticas e todas as outras coisas metafísicas: embora muitos sensitivos gostem de curar os outros, podem acabar por se afastarem dessa vocação (mesmo tendo eles uma capacidade natural para isso), porque eles carregam muito daqueles que eles estão tentando ajudar. Especialmente se eles não souberem da sua capacidade e habilidade com relação a empatia. 

12 - Necessidade de solidão: um empata pode ficar muito mal se não tiver algum tempo de silêncio. Isso é ainda muito evidente em crianças empáticas.

13 - Fica entediado ou distraído facilmente se não for estimulado nas tarefas mais rotineiras: trabalho, escola e vida doméstica têm de ser interessantes para um empata ou ele se desliga delas e se perde em sonhos, rabiscos ou a procrastinação.

14 - Consideram impossível fazer coisas de que não gostam: Forçar um empata a fazer algo que ele não gosta, através da culpa ou rotulando-o como passivo, servirá apenas para fazê-lo infeliz. É por essa razão que muitos sensitivos ficam rotulados como sendo preguiçosos.

15 - Luta pela verdade: isso torna-se mais predominante quando um empata descobre seus dons de nascença.

16 - Sempre à procura de respostas e conhecimento: ter perguntas sem resposta pode ser frustrante para um empata, e ele se esforçará sempre para encontrar uma explicação. Se ele tem um conhecimento sobre algo, ele procurará a confirmação. O lado mau disso pode ser a sobrecarga de informações.

17 - Abomina a desordem: a desordem traz uma sensação de peso e bloqueia o seu fluxo de energia.

18 - Sonhadores: um empata pode olhar para o espaço por horas, ficando num mundo muito próprio e de muita felicidade.

19 - Excelente ouvinte: o empata não vai falar de si, a menos que seja para alguém em quem realmente confia. 

20 - Os sensitivos não gostam de ter pessoas ao seu redor que sejam excessivamente egoístas, que se coloquem em primeiro lugar e se recusem a considerar os sentimentos dos outros ou pontos de vista diferentes dos seus.

21 - Eles captam a energia do coletivo

22 - Pode parecer mal-humorado, tímido, indiferente, desconectado: dependendo de como um empata se sente, isso influenciará sobre como ele se mostra para o mundo. 

23 - Empatas podem ser propensos a mudanças de humor e, se eles captarem energia muito negativa, aparecerão calados. 

24 - Eles não se surpreendem ou ficam chocados facilmente.

25 - Um empata detesta ter de fingir que está feliz quando está triste, isso só aumenta a sua carga e pode fazê-lo sentir como que se estivesse se escondendo debaixo de uma pedra.

Artigo completo no Brasil 247