terça-feira, 18 de outubro de 2011

Cultura e Aculturação na Bahia

Salve meu primo, blz?   Parabéns pelo blog. Tenho acompanhado e gostado bastante de seus posts.

Pensando nisso, gostaria que vc bom baiano que é, discorresse um pouco sobre a invasão e consequente descaracterização da  cultura baiana pelas seitas pentencostais. 

A algum tempo atrás li uma matéria na revista PIAUI, sobre a vista grossa que a prefeitura ( evangélica na época) estava fazendo as vendedoras de acarajé as quais não precisam estar paramentadas, contrariando lei municipal para exercer esta atividade.Creio que isso seja apenas uma pequena parte do que estes idiotas salafrários estão fazendo em nossa terra ( no Xingu já foderam tudo). 

Aquele sincretismo, aquelas baianas distribuindo pipoca no C&D, aquele respeito pelas queridas mães pretas, o carinho que as pessoas tinham uma com as outras, e que fez a fama de estado hospitaleiro, sumiu de minha percepção nas ultimas vezes que estive ai. 

O que ta ocorrendo com esta terra, é culpa destes caras mesmo????Gostaria eu de escrever algo sobre isso, porem não me sinto seguro em expressar uma opinião publicamente sem muita propriedade ou embasamento, pois como sabes Bahia pra mim só em ferias e bem corridas........rs*          

Como bom antropólogo, filosofo, e papo furadeiro que és poderia colocar sua opinião sobre isso no blog.
Creio até que já devam existir estudos sobre isto, mas não localizei nada sobre.Pense nisso.......[]´s ps- Já imaginou se os MALÊS tivessem ganho o levante, hoje seriamos mulçumanos da Umbanda.........kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk !!!


Recebi este desafio de um querido primo, preocupado com a descaracterização da Bahia, no seu jeito baianês de ser, então vamos lá no papo furadeiro, como ele chama.
 

Cultura e Aculturação na Bahia

 

A cultura de raiz não só na Bahia, como em qualquer outra parte do planeta, vem sofrendo um bombardeio constante desde o início da chamada “Guerra Fria” (1) e que piorou com a concepção da idéia da “globalização” (2).
 
(1) A Guerra Fria foi uma disputa ideológica entre Estados Unidos e União Soviética, que transcorreu a partir do fim da Segunda Guerra Mundial (1945) e findou em 1991, com o fim da União Soviética. Esse conflito pode ser definido como uma guerra econômica, cultural, diplomática e tecnológica que tinha como objetivo a expansão das áreas de influências do capitalismo e do socialismo. A principal preocupação de ambos estava relacionada à questão da hegemonia perante aos demais países.

(2) Globalização é um tentáculo do capitalismo desenvolvido para que seus braços alcancem, tal como os de um polvo, e envolva, domine e estrangule a sua presa. Esse processo consiste, na prática, na dominação de caráter econômico, cultural e político dos mais fortes sobre os mais fracos.
Dessa forma, os dominadores procuraram, para criar a sua hegemonia no mundo, criar a forma do pensamento único com base na sua cultura e nos seus princípios. Assim, descrevem essa “lavagem cerebral”:

O escritor Luiz Carlos Maciel, em seu livro “Geração em Transe”:

“Hoje, as manifestações juvenis de nosso passado recente, depois de domadas, assimiladas e distorcidas pelo sistema, foram substituídas por um fetiche abstrato e bastante ridículo que é o jovem tal como é definido pelas agências de publicidade, delineado pelas pesquisas de opinião, incensado pela mídia, tomado por paradigma de eficiência empresarial (o tal do Yuppie) e, o que é pior de tudo, imposto como modelo aos ainda mais jovens, ou seja, nossas crianças. Esse “jovem” é o que, no meu tempo, chamávamos de alienado e, depois, de careta. Trata – se de uma domesticação dos instintos naturais da juventude em função dos interesses do sistema.”
 

O professor e sociólogo, Ph.D. da Universidade da Califórnia em Berkeley, James Petras:
 
“O imperialismo cultural americano tem dois grandes objetivos, um econômico e o outro político: capturar mercados para as suas mercadorias culturais e estabelecer hegemonia pela modelação da consciência popular. A exportação do entretenimento é uma das mais importantes fontes de acumulação de capital e de lucros globais.

O alvo principal do imperialismo cultural é a exploração política e econômica da juventude. O entretenimento imperial e a publicidade alvejam pessoas jovens, que são mais vulneráveis à propaganda comercial americana. A mensagem é simples e direta: “modernidade”' é associada com o consumir de produtos da propaganda americana. A juventude representa um grande mercado para a exportação cultural americana e são eles os mais susceptíveis à propaganda consumista-individualista.”
 

É exatamente esta alienação que provoca a aculturação na sua forma mais cruel, ou seja, a assimilação, que é o fenômeno onde um grupo cultural “absorve” outro grupo cultural.

Com o apoio da mídia de massa passamos a consumir vorazmente produtos culturais de origem americana. Assim, nas TVs, nos cinemas e nos gibis, passamos a consumir os heróis americanos alguns com seus trajes azul, vermelho e branco, muitos com as estrelinhas, copiando as cores e a bandeira americana, tais como Capitão América, Mulher Maravilha, Superman. Os filmes de ficção científica obrigatoriamente passavam pela NASA. Outros exemplos deste domínio são os novos ídolos como Justin Bieber, Selena Gomez, Miley Cyrus, Zac Efron . Outros exemplos são o excesso de palavras de origem inglesa do nosso vocabulário e o Halloween, comemoração obrigatória em nossas escolas. As viagens para a Disney é o maior sonho das nossas crianças. Por aí vai a lavagem cerebral que o modelo impõe.

Na Bahia

Mas a Bahia é diferente. Sua cultura de raiz resiste a essas imposições bravamente, talvez pela própria velocidade do seu povo, do jeito gostoso de vadiar, da sua riqueza ímpar, tão característico do baiano. Ela foi formada a partir dos nativos, africanos e portugueses. E durante séculos se manteve sem outras influências, consolidando de forma tenaz esta mistura que deu origem a sua riqueza. A própria televisão, veículo de grande influência, só chegou à Bahia na década de 60 e com programação local. Só na década de 70 é que passou a retransmitir programação de outros estados.


Algumas características que ajudam a manter a coesão da cultura baiana:
 
1) O linguajar cotidiano típico do seu povo, praticado por todas as classes sociais: 
 
Painho”, “mainha”, “vixe Maria”, “oxente”, “porreta”, “ó pai ó”, “meu irmão”. 
 
São diálogos que mantém uma grande proximidade e cumplicidade:
· “Êta! Ôce tá retado mesmo: É uma expressão muito usada para dizer que você está com a bola toda. Ou pode ser usado para indicar que alguém está aborrecido.
· “E aí, mer mão! Você é meu peixe, minha corrente”: E aí, meu camarada! Você é meu amigo, te considero muito!
· “Rapaz, você fala mais que a nêga do leite”: Você é um tagarela, não consegue parar de falar.
· “É nenhuma”: Tudo ok!
· “Tá vendo? Fica aí dando mole”: Você está perdendo oportunidades, está “vacilando”.


Baiano não fala “Não sei”, diz “Sei lá!”. Chama de “Rapaz” e Velho” qualquer pessoa, seja homem ou mulher. No lugar de “vamos embora”, falamos “vumbora” ou “'bora”e também pode ser dito em forma repetitiva-poética como “borimbora” que quer dizer “vumbora embora”. Bora Bahêa porra.
O linguajar é tão típico que foi criado um Dicionário de Baianês e sobre ele falam: Antonio Houaiss. “Para o início ou composição de um dicionário da língua brasileira, este livrinho é um primeiro documentário precioso que muito contribuirá para o registro da palavra de uso baiano”. Márcia Gomes - Jornal do Brasil “A vida não me chegava pelos jornais nem pelos livros,vinha da boca do povo na língua errada do povo, língua certa do povo, porque ele é que fala gostoso o português do Brasil”.

2) Os seus bairros, ruas, praias têm nomes indígenas, africanos que mantêm acesso no dia a dia a sua miscigenação e riqueza cultural.
 
Itapuã, Piatã, Arembepe, Aquidabã, Amaralina, Itapagipe, Pituaçú, Pituba, Tororó, Itaparica, Jauá, Itapagipe, Itaigara.
 
3) Na culinária, seus pratos típicos são de origem indígena e africana. 
 
É tradicional às sextas-feiras se comer o “Carurú”. O lanche no final da tarde é o “acarajé” que ainda não foi substituído pelo “McDonald’s”, nem pelo “Subway”. Praticamente toda esquina tem uma baiana de acarajé vendendo os seus quitutes: “Acarajé”, “Vatapá”, “Caruru”, “Abará”, “Mugunzá”, “Canjica”, “Pamonha”, “punheta”.
 
4) Festas populares.

Toda a fé do baiano se manifesta no ciclo de festas populares, desde as comemorações dos orixás do candomblé, quando todos os terreiros da cidade batem seus tambores para seus filhos-de-santo dançarem, até as festas da religião católica, que ganham um cunho profano com muito samba-de-roda e barracas padronizadas que servem bebidas e comidas variadas. Esse clima de festa impregna toda a cidade, desde a manhã até a noite. Também é comum se ver nas ruas e nas praias o som dos atabaques, berimbáus, a dança da capoeira, do maculelê e o Samba-de-Roda”.


As “Festas de Largo” em Salvador reúnem milhares de pessoas que vão às ruas celebrar os orixás e os santos padroeiros. Além de popular, essas festas se caracterizam pelo sincretismo religioso e pela mistura de elementos sagrados e profanos. As mais famosas são a “Festa do Bonfim” dedicada ao santo da igreja católica e a “Festa de Yemanjá” dedicada à deusa do Candomblé.

O São João é a maior festa no interior do estado. Milhões de pessoas se deslocam de cidade para cidade para festejar este santo católico. É caracterizado por suas comidas e música típicas, sendo o ritmo principal o “forró”, hoje, misturado ao “aché”. Ainda é possível ver as quadrilhas se apresentando com suas roupas e danças características. Outras festas no interior do estado: “Afoxé”, “Congada”, “Reisado”, “Burrinha”, “Festa de Reis”, “Chula”, “Lundu” que são ritmos e danças das festas típicas das cidades do interior.
Estas festas juntam pobres e ricos, pretos e brancos, lindos e feios, altos e baixos, alegres e tristes; católicos, protestantes, umbandistas, candomblezeiros, espíritas, ateus; torcedores do Bahia e do Vitoria, turistas e baianos, em uma mistura bem característica das manifestações populares.

5) Música
 
Ritmos e as letras de músicas relatam feitos e trejeitos do cotidiano da Bahia.
Vinicius: “um velho calção de banho, um dia prá vadiar, um mar que não tem tamanho,... depois na Praça Caymmi beber uma água de coco,.. é bom, passar uma tarde em Itapuã, ouvindo o mar de Itapuã, falar de amor em Itapuã,...”.
Caymmi: “Dia dois de fevereiro, dia de festa no mar, eu quero ser o primeiro, a saudar Iemanjá,...”
Gilberto Gil:Ai, Xangô, Xangô menino, da fogueira de São João, quero ser sempre o menino, Xangô, da fogueira de São João...”; 

O mineiro Ary Barroso e o paulista Denis Brean encantados com o segredo da Bahia compõem:

“Dá licença, dá licença, meu sinhô
  Dá licença, dá licença, pra yôyô.
  Eu sou amante da gostosa Bahia, porém
  Pra saber seu segredo serei baiano também.

 Dá licença, de gostar um pouquinho só
  A Bahia eu não vou roubar, tem dó!
  Ah! Já disse um poeta que terra mais linda não há
  Isso é velho e do tempo que a gente escrevia Bahia com H!

 Deixa ver
  Com meus olhos de amante saudoso A Bahia do meu coração
  Deixa ver
  Baixa do Sapateiro Charriou, Barroquinha, Calçada, Tabuão!

 Sou um amigo que volta feliz pra teus braços abertos, Bahia!
  Sou poeta e não quero ficar assim longe da tua magia!
  Deixa ver
  Teus sobrados, igrejas, teus santos, ladeiras e montes tal qual um postal.

 Dá licença de rezar pro Senhor do Bonfim
  Salve! A Santa Bahia imortal, Bahia dos sonhos mil!
  Eu fico contente da vida em saber que Bahia é Brasil!”

 
A música “axé”, mesmo criticada por alguns, reporta a lembrança da Bahia e seus costumes.

“Ah! imagina só que loucura essa mistura
  Alegria, alegria é o estado que chamamos Bahia
  De Todos os Santos, encantos e Axé, sagrado e profano,
  o Baiano é carnaval
  No corredor da história, Vitória, Lapinha, Caminhos de   Areia
  Pelas vias, pelas veias, escorre o sangue e o vinho,
  pelo mangue,Pelourinho
  A pé ou de caminhão não pode faltar a fé, o carnaval  vai passar
  Na Sé ou no Campo Grande somos os Filhos de Gandhi, de   Dodô e Osmar
  Por isso chame, chame, chame, chame gente
  Que a gente se completa enchendo de alegria a praça e o poeta
  É um verdadeiro enxame, chame chame gente
  Que a gente se completa enchendo de alegria a praça e  o poeta.” 

 
6) Arquitetura.
 
A cidade de Salvador é cercada por várias casas, fortes, sobrados e igrejas em estilo colonial. Passar pelo Pelourinho é uma viagem no tempo e reflete o que é viver nesta cercania, o que faz o transeunte imaginar o estilo de vida dos seus antepassados.

7)Aspectos Geográficos
 
Ruas estreitas, ladeiras, vielas e becos sedutores. De um lado, a baía de Todos os Santos (católicos e os do Candomblé), do outro lado, o mar do oceano atlântico, criando uma moldura de águas cristalinas que embelezam a cidade. São condições que induzem os seus visitantes e habitantes a uma viagem poética e malemolente. Daí o jeito despreocupado, boêmio e malandro do baiano.

8) O Candomblé
 
O Candomblé, mesmo tendo sido outrora perseguido pela hierarquia da igreja católica e mais recentemente pelos evangélicos se mantém forte e respeitado. Na Bahia, tradicionalmente às sextas-feiras se usa o branco que é a cor do orixá do dia, Oxalá. Os “Terreiros” estão presentes em cada canto e muitos deles são tombados pelo patrimônio histórico. A própria comida típica como o caruru e o acarajé estão associados a esta religião. Muitas igrejas católicas têm em seu culto o atabaque, o berimbáu e outros instrumentos associados ao candomblé. Já tivemos, inclusive, um padre rezando missa com a vestimenta da deusa Oxum. Mães de Santo já realizam o chamado casamento religioso com efeito civil, celebração devidamente reconhecida.

9) As Manifestações Cívicas
 
Outro ponto interessante que mantém a baianidade viva e coesa são as manifestações cívicas que impressionam por suas características marcantes de pura cidadania, talvez porque elas se reportem a movimentos libertários, como as várias lutas pela independência e que eram feitas pelos chamados “filhos da terra”: escravos, índios, pardos e mestiços e brancos pobres, enquanto sua elite formada pelos ricos comerciantes portugueses fugia para os engenhos do Recôncavo.

Tanto é verdade que os nomes de Joana Angélica, da soldado Maria Quitéria, da capoeirista Maria Felipa, e o “caboclo” que representa todas as misturas daqueles que lutaram pela independência da Bahia e do Brasil do julgo português, são ate hoje reverenciados.

Assim é, que a data de “Dois de Julho” é festejada com muito mais afinco do que o “Sete de Setembro”. “Dois de julho” é a grande festa, onde uma multidão acompanha o desfile do “caboclo” e da “cabocla”, que ao final tem suas imagens colocadas em praça pública para que a população possa cultuá-los por um período de alguns dias. Os “caboclos” são grandes ídolos em Salvador.

10) A Bahia adora receber seus visitantes.
 
Não são poucas as músicas que assim expressam:

“Ahh...que bom você chegou
  Bem-vindo a Salvador
  Coração do Brasil, do Brasil
  E vem, você vai conhecer
  A cidade de luz e prazer
  Correndo atrás de um trio.
  Vai compreender que o baiano
  É um povo a mais de mil
  Que ele tem Deus no seu coração
  E o diabo no quadril

 We are carnaval, we are, we are folia
  We are, we are the world of carnaval
  We are Bahia”

 
Conclusão
 
Essa miscigenação desperta um olhar diferenciado do baiano e dos visitantes acerca do comportamento do seu povo. A reunião de sagrados e profanos dá um caráter único ao modo de vida dos baianos.

As festividades, o linguajar, a comida, a arquitetura, a geografia da cidade, os ritmos, as danças, essa mistura de tudo está presente no cotidiano da cidade e influi positivamente para a permanência daquilo que se chama “baianidade”. Eles são uma oportunidade de o tradicional ser repetido de maneira lúdica e, assim, possibilitar que suas vivências e modos de vida perpetuem-se. Cabe à nossa sociedade não deixar de atribuir valores de identidade e resgatar a importância do significado da cultura popular para as novas gerações.

3 comentários:

  1. Excelente...adorei........porem creio ter sido muito diplomatico em relação ao tema que sugeri.....veja....minha preocupação é com a influencia pentencostal na cultura Baiana. Hoje em Salvador vc vê muita gente (não as considero baianos do " acaraje), vendendo nossa preciosa iguaria sem as roupas tipicas !!! Imagino que estas pessoas nem sigam o verdadeiro ritual de oferender aos orixas parte dos produtos a serem vendidos. Será por isso que noto diferença ate no gosto do dito cujo????

    Talvez vc tenha razão......não importa a influencia externa, o baiano sempre será baiano, nas festas de largo, no carnaval, no S. João, etc.....nestas epocas acho que todos se esquecem dos dogmas religiosos, e viram pagãos ladeira abaixo........Salve a Bahia...minha porreta !!!!! rs*

    []´s

    ResponderExcluir
  2. muito bom o texto !!!

    ResponderExcluir
  3. Em relação ao texto está muito bem esrito, lógicamente baseado em evidências e na visão do autor. Para quem criticou a Bahia em relação as músicas tem que parar para pensar que a Bahia não é só Axé, também tem MPB, Rock, Reggae, música eletrônica, etc. Tem para todos os gostos, mas quem mais vende atualmente é o axé, devido a um público que "compra" mas tem para todos os gostos. Não gosto de axé e nem de carnaval (nasci e moro na Bahia e tenho 29 anos) mas optei em curtir outros estilos, como também acredito que no Rio de Janeiro não tenha só Funck e em Pernanbuco não tenha só Frevo (que para o BlueSkyII, na verdade eu não gosto de Frevo, acho chato, mas RESPEITO A CULTURA LOCAL e sei do seu valor).No mais, adorei a matéria da nossa Bahia, BAhia de todos os Santos e de todos os gostos, "...sagrado e profano..."

    ResponderExcluir